18 de junho – Bernardo Mizeki, Catequista e Mártir na Rodésia, 1896

18dejunhobernardmizeki

18 de junho – Bernard Mizeki – Catequista e Mártir no Zimbabwe,  1861 a 1896

1 – Anglicano do  Zimbabwe. Quando tinha aproximadamente doze anos, Bernard Mizeki saiu de Moçambique para Capetown, África do Sul, onde permaneceu por dez anos como trabalhador.  Matriculou-se em uma escola noturna Anglicana para pretos. Era abstêmico quanto ao uso do álcool. Aprendeu o Inglês, o Alemão, o Francês e oito línguas africanas. Isto o conduziu a trabalhar  como tradutor da Bíblia para as línguas indígenas.     Converteu-se em seguida ao cristianismo.  Mizeki foi preparado para o batismo  em 1886 por membros da sociedade de São João Evangelista. Foi Catequista no Zimbabwe, onde fundou uma Missão, tendo como rotina os Ofícios diários, o estudo de línguas, e a conhecer os moradores da aldeia. Abriu uma escola na localidade denominada Nhowe que teve bastante prosperidade entre 1891 e 1896, com um número bastante expressivo de convertidos.  Desentendimentos com os líderes religiosos politeístas locais motivados pela derrubada de árvores no bosque sagrado e durante uma rebelião civil em 1896 foi advertido a fugir pois os cristãos naquela região estavam sendo considerados como   agentes do imperialismo europeu. Consciente de suas responsabilidades e convicções cristãs, resolveu não fugir da comunidade. Em 18 de junho foi assassinado a golpes de lança.  Sua esposa e uma outra pessoa ao saírem do local onde o corpo foi encontrado para tomarem outras providências, ao retornarem não mais encontraram-no. O lugar de sua morte tornou-se um local de peregrinação de pessoas de muitas partes da África do Sul a cada 18 de junho.  A Oração de Bernardo Mizeki foi incorporada no LOC da África do Sul:     Ó Deus Todo-poderoso, cuja  glória é comemorada na vida de Bernardo Mizeki, nós te agradecemos por tê-lo como Teu ministro entre os povos da África do Sul como missionário, catequista e mártir. Com o exemplo desta coragem destemida mesmo diante da morte, pode Tua igreja ser chamada à fé renovada em Ti, Grande  Pastor de todos os povos. Amém.   
Fonte: Frederick Quinn, livre tradução e interpretação do Revdo. JBS/IEAB/TSSF/BAHIA/BRASIL

2 – BERNARD MIZEKI M., 1896

Bernard Mizeki was born near Inhambane in Mozambique about 1861. His parents, of Shangaan origin, called their son Mamiyeli Mitseki Gwambe. There was no local school for him to attend; instead he worked as an assistant in his village store. One day he agreed to accompany a white hunter to Cape Town as a servant, and later on found a job as a domestic servant in a Cape Town suburb. 
The boy showed strong moral courage in refusing to drink Cape brandy with his friends; instead whenever he was free he attended a night-school run by a Christian Mission. There he learned quickly, became a Christian and was baptized in the name of Bernard. When he grew older the Mission helped Bernard to enrol at Zonnebloem College to train as a catechist.

Bishop Knight-Bruce one day came to the Mission and asked for volunteers to teach the Christian Gospel in his new see of Mashonaland, and Bernard decided to go there with him. After his arrival in Rhodesia Bernard chose to work at Chief Mangwende’s village some fifty miles from Fort Salisbury. After five years Bernard married a granddaughter of Mangwende.

When the Mashona Rebellion broke out Bernard realized that his life was in danger partly because he had offended the local witch doctor, but more particularly because of his association with Europeans. On Sunday, 14 June 1896, the witch doctor persuaded everyone in Mangwende’s village to stay away from Bernard’s morning service, but evensong was well attended. When he heard of this the witch doctor threatened to kill Bernard and punish the people who had appeared at evensong contrary to his orders. Bernard Mizeki learnt of these threats but refused to leave the village.

That night there was a loud knocking on the door of Bernard’s hut. He was immediately dragged outside and mortally wounded. His wife bathed his wounds and then left him for a short time to fetch some blankets. When she returned his body had disappeared, having been buried among the rocks.

On the Saturday nearest to 18 June each year, at his shrine near Theydon, a special service of Holy Communion is held in memory of the first known African Christian Martyr of Mashonaland.

Fonte: http://www.barbaragoss.net/rhodesiantapestry/marandellas.html