2 de Set – Mártires de Nova Guiné

martires-da-comunhao-anglicanaTexto do Revmo. Bispo D. Orlando S. Oliveira – IEAB:

“Quanto a sua questão sobre a calendário menor designado para o dia 2 de setembro Mártires na Nova Guiné tenho a informar o que segue:

    Durante a Segunda Guerra Mundial, em 1942, os missionários cristãos da Nova Guiné sofreram imensamente nas mãos dos invasores japoneses.  Oito missionários e dois cristãos de Papua Nova Guiné foram mortos pela sua fé em Cristo, e, com razão, se contam entre inúmeros mártires cujo exemplo desde sempre encorajou a Igreja.

    No verão de 1942, as forças imperiais japonesas invadiram a Nova Guiné, no Pacífico, onde hoje temos uma Província da Comunhão Anglicana com 5 dioceses e cerca de 200 mil anglicanos. Fica um pouco ao Norte da Austrália. A ordem dos invasores foi de que todos os brancos  fossem evacuados para a  costa norte da Ilha, mas um número de missiona’rios anglicanos decidiu ficar com os seu povo cristão o máximo tempo possível. A sua fidelidade e seu amor pelo seu povo lhes custou o martírio.

    Entre os mártires estavam Lucien Tapiedi, um catequista nativo e Vivian Redlich, um presbítero nascido na Inglaterra. Conta-se que ele, Vivian, tinha uma permanente “visão do Cristo ressuscitado” e esta visão lhe deu coragem de permanecer na sua missão junto com o povo quando as forças japonesas aportaram a Nova Guiné. Ele celebrou a Santa Eucaristia com sua congregação pela última vez, e entrou na floresta. Lá ele juntou-se  a outros cinco missonários.  Entre os quais estava o catequista nativo Lucien Tapiedi, que por seu trabalho entre seu povo o tornou um verdadeiro apóstolo de Cristo.  Liderados por ele embrenhados na selva, tentaram chegar a costa, mas foram emboscados e capturados por nativos colaboracionistas. Lucien Tapiedi colocou-se a frente de todos tentando salvar os companheiros,mas foi morto.  E alguns dias depois os seus companheiros foram capturados, decapitados e seus corpos jogados no mar.

    May Hayman e Mavis Parkinson eram duas misionárias anglicanas na região de Gona da Ilha. May Hayman era noiva de Redlich.  Quando o exército invasor japones desembarcou perto de onde ficava sua missão, estas duas mulheres embrenharam-se na selva.  Depois de algum tempo encontraram outros companheiros refugiados. Tentaram cruzar as montanhas em segurança para chegarem ao porto de Moresby.  As duas escaparam de uma emboscada que prendeu o resto dos companeiros.  Mais tarde elas foram capturadas e mortas pelos invasores japoneses.

    Nenhum destes mártires na Nova Guiné morreu em vão, pelo seu exemplo eles alimentaram um Igreja muito forte na Nova Guiné. Este Igreja alegra-se em celebrar a cada ano a vida destes mártires anglicanos, pois seu testemunho deu ao povo um enorme desejo de proclamar a Cristo, e a missão cristã continua crescendo por lá, nesta província da Comunhão Anglicana”.

Colaboração do Revmo Bispo D. Orlando S. Oliveira – IEAB