23 de outubro – SÃO TIAGO DE JERUSALÉM, IRMÃO DE NSJC, (o Menor)

sao-tiago-o-menor23 de Outubro – São Tiago de Jerusalém – irmão de NSJC e Mártir (o Menor)

Tiago, irmão do Senhor, Mt 13. 55; Mc  6. 3; Gl 1 1. 19, figura saliente na igreja de Jerusalém, nos tempos apostólicos, At 12. 17; 15. 13; 21. 18; 01 1. 19; 2. 9, 12. Este Tiago é mencionado nominalmente duas vezes nos evangelhos, Mt 13. 55; Mc 6. 3, mas os traços gerais de sua vida, só os poderemos encontrar nas relações com as noticias sobre “os irmãos do Senhor” que constituem classe distinta, tanto em vida do Senhor, quando ainda não criam nele, Jo 7. 5, como depois da sua ressurreição, quando se encontram no meio dos discípulos em Jerusalém, At 1. 14. As exatas relações destes “irmãos” com o Senhor Jesus, têm dado lugar a muita discussão. Alguns identificam–nos com os filhos de Alfeu, seus primos irmãos. Pensam outros que estes irmãos do Senhor vêm a ser filhos de José, por um primeiro casamento. Como eles aparecem sempre em companhia de Maria, morando com ela e acompanhando-a em viagens e mantendo relações tão intimas, não é para se duvidar que eles sejam realmente seus filhos e verdadeiros irmãos de Jesus, Mt 12. 46, 47; Lc 8. 19; Jo. 2. 12. Como o nome de Tiago é o primeiro que aparece na enumeração dos irmãos de Jesus, é de supor que fosse ele o mais velho, Mt 13. 55; Mc 6. 3. É provável que ele tenha participado da descrença de seus irmãos, Jo 7. 5, e sem dúvida também dos cuidados pela segurança de sua vida, Mc 3. 31. Quando e de que modo se operou a sua mudança em servo de Cristo, não sabemos, At 1. 14; Tg 1. 1, Quem sabe se ele se converteu em virtude de uma revelação especial como foi a do apóstolo S. Paulo!, 1 Co 15. 7. Desde o inicio da igreja de Jerusalém que o nome de Tiago aparece à sua frente, At 12. 17; 15. 13; 21. 18; GI 1. 19; 2. 9, 12.
Quando, pelo ano 40, 5, Paulo visitou Jerusalém, depois de convertido, declara haver estado com Tiago, sinal evidente de que ele estava à testa da igreja, Gl  1. 19. Há uma referência em At 12. 17 e outra em 21. 18, pelas quais se vê que este discípulo continuava em destaque nos anos 44 e 58 respectivamente. A leitura do v. 6 do cap. 15 dá-nos a entender em que consistia a sua preeminência. Não sendo apóstolo, é licito pensar que ele era o presidente da corporação presbiterial da igreja de Jerusalém e pastor dela, O seu nome aparece nesta qualidade, como se depreende das seguintes passagens: Gl 2. 12; At 12. 17; 15. 13; 21. 18. Os visitantes que iam a Jerusalém dirigiam-se em primeiro lugar a ele, 12. 17; 21. 18; Gl 1. 19; 2. 9. A sua posição na igreja serviu muito para facilitar a passagem dos judeus para o Cristianismo. Os fundamentos de sua fé aliavam-se perfeitamente com as idéias de S. Paulo como se evidencia pela leitura de Gl  2. 9; At 15. 13; 21. 20. Em ambas as passagens citadas, ele fala também em
favor da consciência cristã dos judeus convertidos. Como S. Paulo, fazia-se tudo para todos, era judeu com os judeus para ganhar os judeus, O emprego de seu nome pelos judaizantes, Gl 2. 12; Lit. Clementina, e a admiração que havia por ele entre os judeus, a ponto de o apelidarem de “justo”, tem explicação neste traço de seu caráter, Euzébio, H. E. 2. 23. A última vez que o Novo Testamento se refere a ele, é em ,At 21. 18, onde se diz que o apóstolo Paulo havia ido à sua casa em Jerusalém, A. D. 58. A história profana, contudo, informa que ele sofreu o martírio por ocasião do motim dos judeus no interregno entre a morte de Festo e a nomeação de seu sucessor, A. D. 62, Antig. 20. 9, 1; Euzébio, H. E. 2. 23.

Fonte: Dicionário da Bíblia, John D. Davis.