29 de junho – SÃO PEDRO E SÃO PAULO, APÓSTOLOS

sao-pedro-e-sao-paulo

29 de junho – São Pedro
 
São Pedro (segundo a tradição teria morrido em 67 d.C.) foi um dos doze Apóstolos de Jesus Cristo, como está escrito no Novo Testamento e, mais especificamente, nos quatro Evangelhos. O seu nome original não era Pedro, mas sim Simão. Nos livros dos “Actos dos Apóstolos” e na “Segunda Epístola de Pedro”, aparece ainda uma variante grega do seu nome original: Simeão. Cristo apelidou-o de Petros – Pedro, nome grego, masculino, derivado da palavra “petra”, que significa “Pedra” ou “rocha”. O Apóstolo São Paulo designava-o pelo nome de Cephas, Kephas, Kepha ou Cefas que em aramaico significa o mesmo – note-se, aliás, que, provavelmente, Cristo falava principalmente aramaico, logo terá sido essa a designação dada a Simão (e não a versão grega que ficou para a posteridade).

Pedro tem uma importância central na teologia católico-romana. É considerado o príncipe dos apóstolos e o fundador, junto com São Paulo, da Igreja de Roma (a Santa Sé), sendo-lhe reconhecido ainda o título de primeiro Papa (um tanto anacronicamente, posto que a designação Papa só começaria a ser usada alguns séculos mais tarde – Pedro foi apenas bispo de Roma); essa circunstância é invocada pela Igreja Católica para que o Papa detenha uma posição de supremacia sobre toda a Igreja Católica. Para as outras denominações cristãs, Pedro também recebe uma grande importância, por causa de suas epístolas canônicas, porém não recebe o mesmo tipo de tratamento da Igreja Católica.

Dados biográficos
Antes de se tornar um dos doze discípulos de Cristo, Simão Pedro era pescador. Teria nascido em Betsaida e morava em Cafarnaum. Segundo o relato no Evangelho de São Lucas 5:1-11, Pedro terá conhecido Jesus quando este lhe pediu que utilizasse uma das suas barcas, de forma a poder pregar a uma multidão de gente que o queria ouvir. Pedro, que estava a lavar redes com São Tiago e João, seus sócios, concedeu-lhe o lugar na barca que foi afastada um pouco da margem. No final da pregação, Jesus disse a Simão Pedro que fosse pescar de novo com as redes em águas mais profundas. Pedro diz-lhe que tentara em vão pescar durante toda a noite e nada conseguira mas, em atenção ao seu pedido, fá-lo-ia. O resultado foi uma pescaria de tal monta que as redes iam rebentando, sendo necessária a ajuda da barca dos seus dois sócios, que também quase se afundava puxando os peixes. Numa atitude de humildade e espanto Pedro prostra-se perante Jesus e diz para que se afaste dele, já que é um pecador. Jesus encoraja-o, então, a segui-lo, dizendo que o tornará “pescador de homens”.

De acordo com os Evangelhos, Simão foi o primeiro dos discípulos a professar a fé de que Jesus era o filho de Deus. É esse acontecimento que leva Jesus a chamá-lo de Pedro – a pedra basilar da nova crença. Encontramos o relato do evento no Evangelho de São Mateus 16:13-23: Jesus terá perguntado aos seus discípulos (depois de se informar do que sobre ele corria entre o povo): “E vós, quem pensais que sou eu?”; ao que Pedro respondeu “És o Cristo, Filho de Deus vivo”. Jesus ter-lhe-á dito, então: “Simão, filho de Jonas, és um homem abençoado! Pois isso não te foi revelado por nenhum homem, mas pelo meu Pai, que está no céu. Por isso te digo: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e o poder da morte não poderá mais vencê-la. Dar-te-ei as chaves do Reino do Céu, e o que ligares na terra será ligado no céu, e o que desligares na terra será desligado no céu”. É por esta razão que São Pedro é, geralmente representado com chaves na mão e a tradição apresenta-o como porteiro do Paraíso.

Os evangelhos referem-no muitas vezes (mais que a qualquer outro dos discípulos). Conta-se no Evangelho de São Mateus 26:30-35 que Jesus, no Monte das Oliveiras, antes de ser preso, nessa noite, revelou que os seus discípulos seriam dispersados, abandonando-o. Pedro assegura que nunca o abandonaria. Jesus declara-lhe: “Garanto-te que esta noite, antes que o galo cante, me negarás três vezes”. Pedro insiste na sua fidelidade. Mais tarde, segundo o mesmo Evangelho, 26:69-75, Pedro, que observava de longe o julgamento de Jesus no átrio do sumo sacerdote Caifás, ao ser apontado como um dos seguidores de Cristo por várias pessoas, nega Cristo por três vezes, tal como fora predito. Quando o galo canta, Pedro lembra-se do que lhe fora profetizado por Jesus e chora de arrependimento.

No capítulo 21 do Evangelho de São João, é relatado que Cristo, ressuscitado, depois de perguntar repetidas vezes a Pedro se este o ama, lhe diz: “Cuida da minhas ovelhas. Em verdade te digo: quando eras mais novo, cingias o cinto e ias para onde querias. Quando fores mais velho, estenderás as mãos e será outro a cingir-te o cinto, levando-te para onde não queres.”, o que indica que terá sido martirizado pela crucificação. Clemente de Roma, cerca de 95 d. C., refere que terá morrido durante o reinado de Nero. A tradição conta que, sendo o primeiro bispo de Roma, e de acordo com a personalidade vacilante que já aparece nos evangelhos, Pedro, ao decidir fugir de Roma, onde os cristãos eram perseguidos e executados na arena, encontra Jesus Cristo (na forma de uma criança, segundo o romance de Henryk Sienkiewicz, “Quo Vadis?”). Ao perguntar a Jesus “onde vais, Senhor?” (“Quo Vadis, Domine?”), este responde-lhe que vai para Roma, para ser martirizado com as suas ovelhas que foram abandonadas. Pedro, arrependido, volta para Roma e entrega-se às autoridades que o crucificam. Diz a tradição que exigiu que fosse crucificado de pernas para o ar, já que não se considerava digno de morrer da mesma forma que Cristo.              Henryk Sienkiewicz

Os seus textos
O Novo testamento inclui duas epístolas (cartas) cuja autoria é atribuída a Pedro: A “Primeira epístola de São Pedro e a Segunda epístola de São Pedro. Alguns acadêmicos duvidam que Pedro tivesse conhecimentos de grego tão aprofundados que lhe permitissem escrever as cartas com aquele estilo e qualidade linguística (o que, em termos de pura fé, seria perfeitamente normal já que durante o Pentecostes, como é referido nos “Atos dos Apóstolos”, o Espírito Santo teria dado aos apóstolos a faculdade de “falar línguas”). Entretanto há quem opine que terão sido escritas por um secretário (“amanuensis”), enquanto outros dizem que terá sido um seu discípulo, após a sua morte.

São Pedro, segundo o catolicismo
Na tradição tardia, católica, Pedro é referido como o primeiro bispo de Antioquia e, mais tarde, bispo de Roma. A religião católica defende a primazia do Papa – ou seja, do Bispo de Roma, como sumo pontífice da Igreja Católica, de acordo com a interpretação das palavras de Jesus que referem Pedro como sendo a pedra sobre a qual construiria a sua Igreja. Ou seja: Pedro – e, por extensão, o bispo de Roma – seria o primeiro líder espiritual da Igreja. Os bispos de Roma que o sucedessem seriam os papas seguintes. Foi seguido por São Lino (67-76 d. C.).

 Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

 

 

29dejunhosaopaulo

29 de junho – Paulo de Tarso – São Paulo
 
Paulo de Tarso (nome original – Saulo) ou São Paulo, o apóstolo, (cerca de 3 – c. 66) é considerado por muitos cristãos como o mais importante discípulo de Jesus e, depois de Jesus, a figura mais importante no desenvolvimento do Cristianismo nascente. Paulo de Tarso é um apóstolo diferente dos demais. Primeiro porque ao contrário dos outros, Paulo não conheceu Jesus pessoalmente. Por outro lado, Paulo era um homem culto, frequentou uma escola em Jerusalém, tinha feito uma carreira no Templo (era Fariseu), onde foi sacerdote. Destaca-se dos outros apóstolos pela sua cultura. A maioria dos outros apóstolos eram pescadores, analfabetos.

A língua materna de Paulo era o grego. É provável que também dominasse o aramaico.

Educado em duas culturas (grega e judaica), Paulo fez muito pela difusão do Cristianismo entre os gentios e é considerado uma das principais fontes da doutrina da Igreja. As suas Epístolas formam uma secção fundamental do Novo Testamento. Alguns afirmam que ele foi quem verdadeiramente transformou o cristianismo numa nova religião, e não mais uma seita do Judaísmo.

Foi a mas destacada figura cristã a favorecer a abolição da necessidade da circuncisão e dos estritos hábitos alimentares tradicionais judaicos. Esta opção teve a princípio a oposição de outros líderes cristãos, mas, em conseqüência desta revolução, a adoção do cristianismo pelos povos gentios tornou-se mais viável, ao passo que os Judeus mais conservadores, muitos deles vivendo na Europa, permaneceram fiéis à sua tradição, que não tem um móbil missionário.

Biografia – Infância
Paulo nasceu em Tarso, na Cilícia, que atualmente pertence à Turquia, numa família judaica da Diáspora (na altura já havia uma diáspora de judeus que viviam espalhados pelo mundo, sobretudo na Pérsia, mas também em torno do Mediterrâneo, em Alexandria e no norte de África, na Turquia, Grécia e outras partes do Império Romano, incluindo a atual Espanha). Nasceu numa data desconhecida mas “sem dúvida antes do ano 10 da nossa era” (Étienne Trocme). Seu pai, em circunstâncias que se desconhece adquiriu a cidadania romana mantendo a fé judaica, educou-o na tradição judaica. Como era tradicional nas famílias judaicas na diáspora, a criança recebeu dois nomes: um bíblico (Saulo) e o outro romano (Paulo). Como ele próprio diz, foi circuncidado ao oitavo dia e mantém-se sempre na lei mosaica. Diz-se mesmo um Fariseu.

A sua formação primária foi feita numa escola de cultura grega, como atestam as suas cartas. Mas ele afirma também que recebeu também o ensino por parte de rabinos.

Jerusalém
Em determinada altura Paulo deverá ter ido viver para Jerusalém. Os Atos dos apóstolos afirmam que ele foi aluno do rabino Gamaliel em Jerusalém. Não há dúvida de que passou uma parte importante da juventude em Jerusalém.

Foi em Jerusalém que Paulo participou no apedrejamento daquele que ficaria conhecido como Santo Estêvão, um líder do grupo mais radical dos seguidores de Jesus, que é formado por Gregos. Este é o chamado grupo dos helenistas. Paulo foi um perseguidor destes helenistas, núcleo de cristãos de cultura grega que procuravam difundir a nova fé entre os judeus de cultura grega em Jerusalém.

O argumento de Paulo na sua perseguição aos helenistas era a defesa da “tradição dos pais” e da lei mosaica, que ele via como ameaçada pelos helenistas. Alguns autores chegam mesmo a colocar a hipótese de Paulo ter sido um zelote, dado o seu fervor religioso. Também o fato de sua vida ter sido colocada em perigo após ter tomado partido pelos cristãos leva Étienne Trocmé a dizer que isso “corresponde bem ao pouco que sabemos sobre a organização do partido zelote”.

Em determinado momento, Paulo de Tarso sai do mundo judaico e vai para Atenas pregar, os relatos contam que na sua estadia na Acrópolis, ele consegue converter apenas Dionisio Ariopaseta, desistindo então e indo para Corinto.

Missão de Damasco
Saulo este fervoroso defensor da tradição judaica (e por isso talvez mesmo um zelote) foi enviado a Damasco para fazer face à agitação dos helenistas, que contestavam o Templo e anunciavam a sua destruição (Atos).

Será durante esta missão a Damasco que Saulo vai tomar o partido da seita que perseguia anteriormente. A esta mudança de partido ele faz corresponder uma mudança de nome. Abandona o Saulo e pretende agora fazer-se conhecer como Paulo.

Aspecto físico
Não temos qualquer relato confiável do aspecto físico de Paulo. Os únicos relatos que possuímos são dos finais do século II e não são mais do que a projeção dos ideais estéticos a uma figura lendária.

Pelo contrário temos vários indícios de que Paulo tinha problemas de saúde, padecendo de uma doença crônica e dolorosa, da qual ignoramos a natureza, mas que lhe terá sido um obstáculo à sua atividade normal. Por volta dos anos 58-60 ele descrevia-se a si próprio como um velho (Filemon). Em uma missão que Deus preparou para Impactá-lo.

Epístolas escritas por Paulo
Paulo escreveu várias epístolas para as comunidades que visitara, pregando e ensinando as máximas cristãs. As cartas relacionadas a seguir (conhecidas como Corpus Paulinum) são aquelas que tradicionalmente são atribuídas a Paulo:

Romanos
I Coríntios
II Coríntios
Gálatas
Efésios
Filipenses
Colossenses
I Tessalonicenses
II Tessalonicenses
I Timóteo
II Timóteo
Tito
Filémon
Hebreus, anônima, mas tradicionalmente atribuída a Paulo.

 

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.