6 de junho – Américo Vespúcio Cabral

americo_vespucio

6 de junho – AMÉRICO VESPUCIO CABRAL

Nasceu na Vila Santa Isabel, município de Arroio Grande, a 27 de maio de 1870. Filho do Prof: João Francisco de Freitas Cabral e da Dona Floriana da Costa Cabral. Em 1871 mudaram-se para Porto Alegre. Cursou o Colégio São Pedro. Em 1887 foi obrigado a abandonar os estudos para trabalhar no comércio. Aos 17 anos de idade era um entusiasta dos ideais republicanos, usando seus dotes tribunícios nos comícios. Conhecendo sua capacidade como orador, um amigo da família o convidou para, como companheiro de seu filho, fazerem o Curso de Direito na Bahia, com as despesas pagas. Nessa altura, porém, já havia falecido seu pai que antes confiara a ele o cuidado de sua mãe e de uma irmã menor. Diante disso ele não aceitou o convite.

Em 1890, Cabral com um amigo passaram, num domingo, pela “Casa da Missão”, na rua Voluntários da Pátria. Ouvindo o cântico de um hino resolveram entrar. Era um oficio religioso dirigido pelos missionários Morris e Kinsolving. Sairam impressionados com o que viram e ouviram. No domingo seguinte lá estava de novo Cabral assistindo ao oficio. Daquele dia em diante, convidava os amigos dizendo: “Venham ouvir o que e belo e bom”. Abraçou definitivamente o Evangelho pela Igreja Episcopal, tornando-se catequista. Em 1893 foi ordenado ao diaconato pelo Bispo Peterkin que visitava a Igreja no Brasil. Dizia ele que na solenidade cantaram o hino 136 do antigo “Salmos e Hinos” e nas palavras: “Vai! Publica a todo o mundo: em Jesus há salvação!” Kinsolving lhe dirigiu um olhar cheio de entusiasmo. E esse olhar se lhe tornou inesquecível. O novo diácono foi trabalhar com o Rev. Dr. Brown. Em 1894 casou com a Srta. Guilhermina Fraga. Em l895 Cabral abriu uma Missão da Igreja em Viamão. Em 1897 foi elevado ao presbiterado pelo Bispo Anglicano das Malvinas, Revmo. Sterling. Em 1898 assumiu a reitoria da Igreja da Trindade, ainda funcionando no salão próximo à hoje Catedral da Santísima Trindade, na rua dos Andradas. Lecionou por algum tempo no Colégio Júlio de Castilhos e num colégio alemão, hoje colégio Farroupilha. Nesse tempo iniciou Missões que se tornaram mais tarde a Missão do Nordeste. Em 1919 transmitiu a reitoria da Trindade ao Rev. George Krischke, da qual ele foi pároco 20 anos. Depois de algumas viagens para o Brasil e até pelo estrangeiro, fixou residência em Viamão consagrando-se à Igreja local e a Missão Nordeste (São Francisco de Paula, Santo Antonio da Patrulha e Praria Grande,SC). A maior parte de suas viagens era feita a cavalo, dormindo_em barracas ou galpões. Desde 1935 era vereador na Câmara de Viamão.  Com o Rev. Dr. Brown fez a primeira tradução do L.O.C. para a Igreja no Brasil. Cabral manejava mais ou menos bem o inglês e conhecia o grego, língua que aprendera com os missionários, particularmente com o Rev. Brown. Achando-se adoentado, dia 17 de outubro de 1937, era um domingo tarde, pediu que lesse a Coleta, a Epístola e o Evangelho do dia, convidando a todos para uma oração silenciosa. Depois da qual disse:”Amanhã Jesus me dará uma bênção”, e entrou em agonia falecendo na manhã seguinte. O prefeito de Viamão decretou três dias de luto. Viamão lhe homenageou dando seu nome à Avenida de entrada na cidade. Seus restos mortais repousam no cemitério de Viamão. Na Catedral da SS. Trindade, a Igreja o homenageou com uma placa com a sua efígie junto ao púlpito que tanto honrou. Cabral era abstêmio e de caráter impoluto. Estatura agigantada, passos firmes e resolutos, olhar penetrante, gestos decididos, voz forte, com palavra fácil e persuasiva, era um perfeito varão de Deus e cidadão integro.

O Bispo Kinsolving, certa ocasião declarou: “Cabral era o pregador mais eloqüente que jamais ouvi em qualquer língua”.

Obs. Dados biográficos retirados do livro DADOS BIOGRÁFICOS DO CLERO DA IGREJA EPISCOPAL DO BRASIL de autoria do Rev. Marçal Lopes de Oliveira, Editado pelo Depto. de Comunicação da Secretaria Geral da IEAB, 1988