8 de Novembro – Todos os Santos e Mártires da Comunhão Anglicana

Westminster_Abbey_-_20th_Century_Martyrs8 de novembro  Todos Os Santos e Mártires da Comunhão Anglicana

Deus de toda a terra; nós te louvamos por aqueles que nos legaram a herança Anglicana de darem testemunho de Cristo na vida e na morte; fortalece-nos a construir a nossa vida sobre os fundamentos que tu estabeleceste e que o teu nome seja glorificado em todo o mundo através de Jesus Cristo, nosso Senhor; e que o Espírito Santo esteja sempre em nós de uma forma viva e surpreendentemente nova. Amém (1)”. 

Prestar homenagem a todos os Santos e Mártires da Comunhão Anglicana, é lembrar os feitos daqueles que ao nos antecederem, que deram tudo de sí pela causa do Evangelho em meio a ceticismos e incompreensões, abrindo caminhos em locais inóspitos para que hoje estejamos nos beneficiando das suas sofridas experiências. A Comunhão Anglicana, nascida com a primeira Conferência de Lambeth em 1867, mesmo contando com as dificuldades de cada componente espalhado ao redor do mundo em relação às implicações inerentes a uma idéia tão complexa no sentido do funcionamento prático, estabeleceu-se na realidade como uma comunhão de igrejas autônomas. Teve, em muitos aspectos um desenvolvimento não planejado, logo, imprevisível – para além dos planos da Igreja da Inglaterra: na América do Norte (Século XVII)  com os colonizadores e no Brasil (Século XIX) através das capelanias e como resultante do impulso missionário dos missionários Lucien Lee Kinsolving e James Watson Morris que aqui desembarcaram em 26 de setembro de1889 (1). A expansão comercial e colonial britânica no século XIX, bem como as obras missionárias alcançaram as mais distantes localidades, fazendo brotar numerosas Igrejas Anglicanas. Tal crescimento produziu significativos testemunhos de fé nos mais diversos pontos do globo terrestre: William Laud, Arcebispo de Cantuária, 1645; Phillips Brooks, Bispo de Massachusetts, 1893; Thomas Bray, Presbítero e Missionário, 1730; John e Charles Wesley, Presbíteros, 1791, 1788; Thomas Cranmer, Arcebispo de Cantuária e Mártir, 1556; Charles Henrique Brent, Bispo das Filipinas e de Nova Iorque Ocidental, 1929; John Keble, Presbítero, 1866; Frederick Denison Maurice, Presbítero, 1872; William August Muhlenberg, Presbítero, 1877; Anselmo, Arcebispo de Cantuária, 1109; Agostinho,  Primeiro Arcebispo de Cantuária; James Watson Morris; Lucien Lee Kinsolving (1º Bispo residente da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil); William Cabell Brown; John Gaw Meem; Américo Vespúcio Cabral; Antonio Fraga; Vicente Brande; Bernardo Mizeki, Catequista e Mártir na Rodésia, 1896; Albano, Primeiro Mártir da Grã-Bretanha, 304; Egmont Machado Krischke, 1º Primaz da IEAB, 1971; William White, Bispo da Pensilvânia, 1815; Thomas a Kempis, Presbítero, 1471; Willi Wilberforce, 1833; Jeremias Taylor, Bispo de Down, Connor e Dromore, 1667; Bernardo de Claivaux, 1153; Athalicio Pithan, 1966 (Primeiro Bispo Brasileiro da Comunhão Anglicana); Mártires da Nova Guiné, 1942; Theodoro de Tarso, Arcebispo de Cantuária, 690; John Coleridge Patteson, Bispo da Melanésia e seus Companheiros, Mártires, 1871; Lancelot Andrewes, Bispo de Winchester, 1626; Francisco de Assis, Frade, 1226; William Tyndale, Presbítero, 1536Tereza de Ávila, Priora, 1582; Samuel Isaac José Schereschewsky, Bispo de Xangai, 1906; Henry Martyn, Presbítero e Missionário na Índia e Pérsia, 1812; Richard Hooker, Presbítero, 1600; Martinho Lutero, Reformador, nascido em 1483; Carlos Simeon, Presbítero 1836; Samuel Seabury, Primeiro Bispo dos Estados Unidos, 1784; Channing Moore Williams, Bispo Missionário da China e no Japão, 1910; Thomas Becket, Arcebispo de Cantuária e Mártir, 1170; John Wycliff, Precursor da Reforma, 1384. Estes “heróis da fé” constantes do Livro de Oração Comum da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, somam-se a milhares de outros que fazem parte do hagiógrafo anglicano em todo o mundo. Não mais fazem parte da “igreja militante”, mas estão engajados da “igreja triunfante”, na Comunhão dos Santos. Amém. 

ADENDO IMPORTANTE!:

D. Orlando, Bispo Diocesano da Diocese Meridional/IEAB, atendendo ao meu SOS, enviou-me as preciosas informações que abaixo transcrevo como complemento ao texto supra: 

“…A data de 8 de novembro já constava no LOC de  1662 sob o título de Santos, Mestres e Mártires da Igreja da Inglaterra, com os nomes de pessoas mais ligadas à vida e história da Igreja da Inglaterra. Com o surgimento de muitos mártires e santos em outras partes da Comunhão Anglicana (Nova Zelândia, África, Estados Unidos, Canadá, Filipinas, Escócia, Gales, Irlanda, eles foram acrescentados. Também foram lembrados muitos heróis da fé e do trabalho missionário de várias Sociedades Missionárias que até hoje existem. Muitos nomes deles estão hoje no calendáriodo dia 8 de novembro. Como exemplo Thomas Bray, inspirador da criação da Sociedade de Propagação do Conhecimento Cristão (SPCK).

Leituras indicadas para esta Festa: Isaías 61.4-9; Salmo 15; Apocalipse 19.5-10 e Evangelho de São João 17.18-23.

Coleta do LOC inglês: Ó Santo Deus, que és adorado pela gloriosa companhia dos redimidos de todos os tempos e lugares em teus dominios celestiais; Nós te louvamos por todos os santos e mártires das várias partes da Comunhão Anglicana. Oramos também para que nós possamos ser contados, juntamente com todos aqueles que fizeram a tua vontade em suas vidas e testemunharam a tua retidão; Por Jesus Cristo Nosso Senhor que vive e reina contigo na unidade do Espírito Santo, um só Deus, hoje e sempre. Amém”.

Revdo. Josafá

nov2009.

IEAB/SSA/BAHIA/BRASIL

www.revjbs.com.br

zozayah@yahoo.com.br  

Notas
(1) Coleta inspirada na Liturgia da Nova Zelândia http://www.anglican.org.nz
(2) Notas para uma História da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, Oswaldo Kickhöfel, 1995