9 de junho – Efrém da Síria

Efrém da Síria

Confessor; Doutor da Igreja
Nascimento: c. 306 em Nísibis
Morte: 9 de junho de 373 em Edessa (atualmente na Turquia)
Venerado o por toda Cristandade, especialmente nas comunidades siríacas
Festa litúrgica:   28 de janeiro (Igreja Ortodoxa Oriental, Igreja Católica Oriental); 7º sábado antes da Páscoa (Igreja Ortodoxa Síria); 9 de junho (Igreja Católica Apostólica Romana e Comunhão Anglicana); 18 de junho (Igreja Maronita)

Escapando do avanço do exército sassânida, fugiu para Edessa onde lecionou por muitos anos. Autor de uma grande variedade de hinos, poemas e sermões de exegese bíblica, em verso e em prosa. Suas obras são exemplos de uma teologia prática voltadas para defesa da igreja em tempos turbulentos e tornaram-se tão populares que, por séculos após a sua morte, autores cristãos escreveram centenas de trabalhos pseudepígrafes em seu nome. Por suas obras, foi declarado Doutor da Igreja pelo papa Bento XV em 1920. Efrém tem sido considerado o mais importante de todos os padres da Igreja na tradição siríaca da igreja.

Efrém nasceu por volta de 306 na cidade de Nísibis (moderna Nusaybin, na Turquia, perto da fronteira com a Síria), que tinha se tornado parte do Império Romano apenas oito anos antes, em 298. Evidências internas da hinódia de Efrém sugerem que seus pais eram parte da crescente comunidade cristã da cidade, embora hagiógrafos posteriores tenham defendido que seu pai seria um sacerdote pagão. Diversas línguas eram faladas em Nísibis na época, a maior parte delas dialetos do aramaico, enquanto a comunidade cristã utilizava-se de um dialeto siríaco. A cultura local estava sujeita a influências pagãs, judaicas e das seitas do início do cristianismo.

Tiago (em latim: Jacobus ), o segundo bispo de Nísibis e um dos signatários do Concílio de Niceia, foi consagrado em 308 e Efrém cresceu durante seu episcopado; foi batizado ainda menino e, quase certamente, tornou-se um “filho da aliança”, uma forma pouco comum do proto-monasticismo siríaco. Tiago indicou Efrém como professor (em siríaco: malp̄ānâ, um título que ainda inspira grande respeito entre os cristãos siríacos), e ele foi ordenado diácono no seu batismo ou em seguida;[5] Efrém começou a compor seus hinos e escrever comentários sobre a Bíblia como parte de sua função de educador. Em seus hinos, ele às vezes se refere a si mesmo como um “boiadeiro” (ܥܠܢܐ, ‘allānâ), ao seu bispo como o “pastor” (ܪܥܝܐ, rā‘yâ) e à sua comunidade como “rebanho” (ܕܝܪܐ, dayrâ). Tradicionalmente, acredita-se que Efrém tenha sido o fundador da Escola de Nísibis, que, nos séculos posteriores, foi o centro do conhecimento do cristianismo oriental.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.