História da Ordem Terceira

História da Ordem    (Páginas 7 a 10) 

       Em 23 de abril, lembramo-nos no nosso calendário da Terceira Ordem o casal Luchesio e Buonadonna. Logo após de conhecerem Francisco, eles queriam imitá-lo no seguimento a Cristo, mas fora do claustro. Em resposta ao seu desejo e às necessidades de outros leigos, Francisco fundou a Terceira Ordem, que se tornou a maior ordem religiosa do mundo.

       A ideia duma Terceira Ordem não foi invenção de Francisco, sendo que um grupo contemporâneo, os Humiliati, já tinha uma Terceira Ordem cujos membros viviam como verdadeiros religiosos em circunstâncias seculares. Nem são os franciscanos a única Terceira Ordem hoje. Entre outros, os dominicanos e carmelitas têm Ordens Terceiras. Em nossa própria Comunhão Anglicana, existem ordens iniciadas estritamente como seculares, como a ordem mundial de Julian de Norwich. Outras têm oblatos, como os Beneditinos, que estão presentes em nossa própria IEAB.

       A Sociedade de São Francisco em si, a expressão anglicana da vida franciscana, começou em locais dispersos e sem forma lógica. Depois da quebra com Roma, todas as ordens religiosas foram dissolvidas, e numerosos religiosos foram severamente perseguidos e as suas casas destruídas. Muitos foram mesmo mortos neste frenesi. Só até o século XIX o movimento Oxford deu início ao renascimento da vida religiosa dentro do nosso próprio ramo do corpo de Cristo. Agora, existem muitas ordens. A lista (em inglês) pode ser encontrada à www.anglicansonline.org/resources/orders.

       A Sociedade da Compaixão Divina, precursor da nossa própria família franciscana, começou em 1890 com três homens que viveram entre os pobres sem-teto de seu dia. A primeira casa foi à 42 Balaam Street em Plaistow, Inglaterra, que ainda é convento. Em 1905, A Comunidade de São Francisco (CSF), um grupo de mulheres, foi fundada em Hull, Inglaterra, e mais tarde mudou-se para Dalston para cuidar de doentes terminais.

       Em 1917, depois de visitar em Plaistow, um padre americano chamado Claude Crookston (Fr. José) fundou um pequeno grupo de tendência monástica em Wisconsin, E.U.A,, chamado A Ordem de São Francisco. Ele primeiro quis formar uma comunidade masculina, mas o bispo rejeitou, dai ele fundou em 19 de Julho de 1917, o que é hoje a Terceira Ordem, que receberia ambos os sexos. Em 1918, as Pobres Clarissas de Reparação (PCR) foram fundadas deste mesmo grupo, e, finalmente, em 1919, uma comunidade de frades da Primeira Ordem. Em breve este pequeno grupo de irmãos logo se mudou para uma casa de verão em Long Island doada pela família de um dos seus primeiros membros (Br. Stephen), conhecida como Little Porton Friary (vendido em 2015). As Clarissas em América duraram até a morte de seu último membro, em 2000.

       Enquanto isso, na Inglaterra, Douglas Downes, Capelão do Worcester College, Oxford, deixou seu prestigioso emprego para morar com e cuidar dos sem-abrigo, homens desempregados (Br. Douglas chamou eles de “peregrinos”), vítimas da depressão depois da Primeira Guerra Mundial. Em 1921, o conde de Sandwich doou seu pavilhão de caça em Dorset como base para este ministério, e uma comunidade fundada lá era conhecida como a Irmandade de São Francisco de Assis (BSFA). Br. Douglas se juntou a este grupo em 1922 e tornou-se, relutantemente, seu líder, dirigindo o que foi chamado de “Home of St. Francis,” agora Hilfield Friary.

       Na década de 1920, na Índia, um grupo de cristãos, casados e solteiros, clérigos e leigos, começou uma comunidade chamada a Christa Seva Sangha, Comunidade do Amor de Cristo, liderada por um sacerdote inglês, Fr. Jack Winslow, onde membros anglos e indianos viviam juntos como uma família. Essa é a origem de parte da nossa Terceira Ordem, e a fonte de nossos Princípios.

       Um de seus líderes, Fr. Algy, adoeceu e teve de voltar para a Inglaterra. Lá, ele tentou, sem sucesso, formar pessoas para essa experiência revolucionária de vida comunitária na Índia. Falhando em sua intenção original, Fr. Algy foi para Dorset em 1936 e juntou-se com a comunidade do Br. Douglas. Dessa fusão nasceu a Sociedade de São Francisco. A Comunidade de São Francisco tornou-se parte dessa sociedade maior em 1963, e a Ordem de São Francisco do Pe. José se uniu com a sociedade em 1967, tornando-se a província autónoma americana da Sociedade de São Francisco (rebatizada Província das Américas em 2003).

       No Brasil, a Ordem de São Francisco foi sendo imaginada no Recife no ano de 1998 com a reunião de pessoas que sentiam o chamado a viver a espiritualidade franciscana na Diocese do Recife, que passaram a se reunir discutindo o que poderia ser feito. Ao mesmo tempo, sem que os do Recife soubessem, o Rev. Cesar Alves de São Paulo estava em comunicação com os frades Irmãos da Primeira Ordem da Sociedade de São Francisco. Pouco tempo depois, o Rev. Cesar passou um tempo com os frades ingleses em Hilfield. Ambos os passos progrediram, e depois em conjunto, foi fundada em 1999 a Ordem de São Francisco, tendo como Bispo Protetor o então Bispo Primaz da IEAB D. Glauco Soares, canonicamente reconhecida nas dioceses de São Paulo e do Recife.

       Logo começou um sentimento de que a Ordem brasileira deveria se ligar à Ordem Franciscana já existente na Comunhão Anglicana, dentro do espírito de pertença e de obediência. Os ingleses então, por questão geográfica, sugeriram que os brasileiros se comunicassem com a então Província Americana. Foi redigido um documento de acordo no ano de 2003 e ratificado posteriormente em 2005, aprovado no Capítulo Provincial, que comprova a incorporação da Ordem de São Francisco através de seus membros, à Sociedade de São Francisco, com membros na Primeira e na Terceira Ordem. Em 2006, no Capítulo Inter Provincial (mundial) da Terceira Ordem SSF (IPTOC), em Cantuária, Inglaterra, foi oficialmente aceita a incorporação da OSF e a criação da Região do Brasil da TSSF e da SSF (Primeira e Terceira Ordens). Somos fruto deste sonho, nascido simultaneamente em São Paulo e no Recife, e daí espalhado em todo o pais, de vivermos a espiritualidade franciscana dentro da IEAB e da Comunhão Anglicana.   

       Cada ramo provincial da nossa família da Terceira Ordem desenvolveu um estilo regional próprio, contudo mantendo muitas semelhanças. A mesma regra (que contém os Princípios, a Constituição e a Ordem das Admissões) se aplica a todos. A Província das Américas ainda mantém algo do corante que é o legado do Padre Joseph, em particular a exigência idônea que todos os membros rezem o Oficio Diário do Livro de Oração Comum. Em um retiro em outubro de 2013, a Terceira Ordem na região do Brasil iniciou o processo para desenvolver o seu próprio estilo e tornar-se uma nova província na família TSSF.

       Entre os nossos terciários “ancestrais” são Thomas More, Joana d’Arc, O Cura d’Ars, Galvani, Volta, Dante, Crisotóforo  Colombo, Liszt, Palestrina, Miguel Angelo,  Rafael, para não mencionar Santa Isabel da Hungria e São Luiz, embora a filiação dele está sendo debatida! Há também agora cerca de 50 membros de um ramo ecumênico da família franciscana (Ordem dos Franciscanos Ecumênicos), iniciado nos EUA pelo ministro da Igreja Unida de Cristo Dale Trana em 1985 depois que ela completou nosso programa de formação. Há também um grupo de terciários luteranos suecos que foi formado pela Província Europeia. Todos os franciscanos compartilham laços estreitos em nossa ampla família ecumênica, seja qual for o ramo do corpo de Cristo que seus membros podem representar.