Category: Santos mês 08

29 de agosto – Martírio de João Batista

ago 29 2020

Como Foi a Morte de João Batista?

A prisão de João Batista

A Bíblia diz que Herodes Antipas, o tetrarca da Galileia e da Pereia, mandou prender João Batista. O próprio texto bíblico revela qual foi a principal motivação da prisão de João Batista: Herodes Antipas mandou prendê-lo por causa de Herodias (Marcos 6:17).

Alguns comentaristas sugerem que talvez também fizesse parte dessa motivação a desconfiança de que João Batista poderia representar alguma ameaça popular ao poder de Herodes Antipas. Seja como for, tudo o que envolveu a morte de João Batista esteve diretamente relacionado à pressão de Herodias.

A Bíblia também explica por que Herodias queria ver João Batista morto. Essa mulher havia sido casada primeiramente com Herodes Filipe, seu meio-tio e também meio-irmão de Herodes Antipas. Desse casamento nasceu Salomé, uma mulher que não citada nominalmente na Bíblia, mas é chamada simplesmente de “filha de Herodias”.

Aconteceu que Herodes Antipas e Herodias acabaram se apaixonando. Os dois se separaram dos seus cônjuges e não demorou para que Herodes Antipas se casasse com sua própria cunhada. Quando João Batista soube disso, reprovou a atitude de Herodes Antipas e começou a repreendê-lo reiteradamente. João dizia: “Não te é lícito possuir a mulher de seu irmão” (Marcos 6:19).

Com tal denúncia, João Batista acusava o governante de ser um adúltero e incestuoso (cf. Levítico 18:16; 20:21). A reprovação de João acabou deixando Herodias completamente irada. Foi esse o contexto de sua prisão.

Mas Herodias também não estava satisfeita com o fato de João Batista ter sido encarcerado. Ela queria mais. Na verdade ela odiava o profeta e queria matá-lo a qualquer custo. O problema é que Herodes Antipas temia João Batista. Ele sabia que João era inocente; além disso, ele também sabia que João Batista era aclamado pelo povo como sendo um profeta (Mateus 14:5; Marcos 6:20).

O desejo pela morte de João Batista

O desejo de vingança da mulher de Herodes Antipas não foi aplacado. Provavelmente depois de cerca de pouco mais de um ano de prisão, João Batista terminou sendo levado à morte. A festa de aniversário de Herodes Antipas foi o evento que desencadeou a morte de João Batista.

Herodes Antipas promoveu um grande jantar que contou a presença de pessoas muito importantes da época. Num certo momento da festa, talvez já no final quando todos estavam embriagados, a filha de Herodias entrou na presença de Antipas e dançou para ele. Todo o contexto indica que aquela foi uma dança sugestiva, carregada de erotismo. Então envolvido e impulsionado pela situação, Herodes Antipas disse para moça que lhe daria tudo o que ela quisesse.

A jovem saiu e foi se aconselhar com sua mãe, que lhe disse para pedir a cabeça de João Batista. Então rapidamente a jovem foi ter com Herodes Antipas e fez o sinistro pedido: “Quero que, sem demora, me dês num prato a cabeça de João Batista” (Marcos 6:25).

O imediatismo empregado no pedido da jovem deixa claro que o plano era para que João Batista não pudesse escapar da morte; bem como o próprio Herodes Antipas da promessa que havia feito. Em outras palavras, literalmente ela pediu: “Quero a morte de João Batista aqui e agora”.

A Bíblia diz que Herodes Antipas ficou muito entristecido com o pedido pela morte de João Batista. É provável que essa tristeza tenha sido uma mistura de certa admiração pessoal por João, com o medo da reação popular. De qualquer forma, seu orgulho lhe impediu de declinar do pedido da moça.

Fonte: Daniel Conegero

31 de agosto – Aidan de Lindisfarne

ago 25 2020

31 de agosto – Aidan (ou Edano) de Lindisfarne

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Santo Edano de Lindisfarne, Bispo e Apóstolo da Nortúmbria; Taumaturgo
Nascimento: Connacht, Irlanda
Morte: 31 de agosto de 651 em Parish Churchyard, Bamburgo, Nortúmbria
Veneração por: Igreja Católica, Igreja Ortodoxa, Comunhão Anglicana, Igreja Luterana
Principal templo: originalmente a Abadia de Lindisfarne, Nortúmbria; posteriormente disputado entre a Abadia de Iona e a Abadia de Glastonbury (todas destruídas).
Festa litúrgica: 31 de agosto (Igreja Católica, Comunhão Anglicana), 9 de junho (Igreja Luterana)

Edano ou Adão de Lisdisfarne (em latim: Aedanus), conhecido como o Apóstolo da Nortúmbria (Connacht, ? – Bamburgo, Nortúmbria, 31 de agosto de 651), foi o fundador e primeiro bispo do mosteiro na ilha de Lindisfarne, na Inglaterra. Como missionário cristão, é creditado a a ele a restauração da cristianismo naquela região. Em 2008, ele foi proposto como o provável santo padroeiro do Reino Unido.


Irlandês, possivelmente nascido em Connacht, Edano foi um monge no mosteiro da ilha de Iona, na Escócia.

O Império Romano havia espalhado o cristianismo no território bretão, mas devido à invasão anglo-saxã das ilhas Britânicas, o paganismo anglo-saxão agora era a religião dominante. Osvaldo da Nortúmbria e seus irmãos, viveram entre os gaélicos de Dál Riata como príncipes exilados desde suas expulsões por uma casa real rival em 616. Provavelmente Osvaldo visitou o mosteiro da ilha de Iona, e certamente converteu-se ao cristianismo, e foi batizado. Em 634, recuperou o reino da Nortúmbria, e estava determinado a trazer o cristianismo para a maioria daquela população pagã.

Devido ao seu passado entre os gaélicos, ele solicitou missionários de Iona, o mosteiro pré-eminente dos irlandeses, onde atualmente fica a Escócia, em vez dos missionários da Inglaterra. Inicialmente o mosteiro enviou um bispo novo chamado Cormano, mas ele não obteve sucesso algum e logo retornou a Iona, relatando que os nortúmbrios eram por demais teimosos para serem convertidos. Edano criticou os métodos de Cormano e foi enviado como substituto em 635.[2]

Edano escolheu Lindisfarne, assim como Iona, uma ilha, e próxima à fortaleza real de Bamburgo (Bamburgh), para ser a sede de sua diocese. O rei Osvaldo, que após seus anos de exílio, tinha um domínio perfeito do irlandês, muitas vezes tinha que servir de tradutor para Edano e seus monges, que no começo não falavam inglês. Quando Osvaldo morreu em 642, Edano continuou a receber apoio do rei Osvino de Deira e os dois tornaram-se amigos íntimos.

Um inspirado missionário, Edano percorreu a pé uma aldeia após outra, educadamente conversando com as pessoas que ele encontrava, e aos poucos, despertando-lhes o interesse pelo cristianismo. Segundo a lenda, o rei deu a Edano um cavalo para que ele não precisasse mais andar durante sua missão evangelizadora, mas Edano deu o cavalo para um mendigo. Com paciência, conversando com as pessoas em seu próprio nível, Edano e seus monges lentamente trouxeram o cristianismo para as comunidades nortúmbrias. Edano também acolheu doze meninos ingleses para treiná-los no mosteiro, a fim de assegurar que a futura liderança religiosa da região fosse inglesa.

Em 651, um exército pagão comandado por Penda atacou Bamburgo e tentou incendiar suas muralhas. Segundo a lenda, Edano rezou pedindo a proteção divina para a cidade, após o que, a direção do vento mudou e a fumaça e o fogo sopraram na direção do inimigo, repelindo-os. Daí ele ser considerado o protetor daqueles que combatem incêndios.

Edano foi um membro do ramo irlandês do cristianismo, em oposição ao que poderíamos chamar de ramo romano, ou latino, mas seu caráter e sua energia no trabalho missionário granjeou a seu favor o respeito do Papa Honório I e de Félix da Borgonha.

Osvino de Deira, amigo de Edano, foi assassinado em 651. Doze dias depois Edano morreu, em 31 de agosto, no décimo sétimo ano de seu episcopado. Adoeceu quando estava no castelo de Bamburgo, e morreu encostado ao contraforte de uma igreja em uma propriedade real perto de Bamburgo.

O mosteiro que fundou cresceu e ajudou a fundar igrejas e outros mosteiros em toda a região. Tornou-se também um típico centro de saber e guardião do conhecimento da época. São Beda, o Venerável viria a escrever mais tarde a biografia de Edano e descrever os milagres atribuídos a ele. Sua festa é comemorada no dia 31 de agosto (Igreja Católica, Comunhão Anglicana), e em 9 de junho (Igreja Luterana).

13 de agosto – Florence Nightingale

ago 13 2020

Florence Nightingale

Florence Nightingale (Florença/Itália, 12 de maio de 1820-Londres, 13 de agosto de 1910), de nacionalidade britânica, foi a fundadora da Enfermagem moderna. Ela foi a pioneira no tratamento de feridos em batalhas, ficando famosa pela sua atuação na Guerra da Crimeia.

Devido aos seus esforços e estudos, Florence conseguiu a fundação da Escola de Enfermagem no Hospital St. Thomas, na cidade de Londres, em 1860, um marco para a história da Enfermagem contemporânea.

Infância e juventude
Florence nasceu em uma família rica de Florença, ganhando o nome de sua cidade em inglês, já que sua família era de origem britânica. Seu pai, Willian Edward Nightingale, foi um proprietário de terras que estudou em Cambridge e sua mãe, Frances Nightingale, vinha de uma família de mercadores.

O pai de Florence considerava-se progressista em relação à educação das mulheres e melhores condições na sociedade. Com isso, ensinou para Nightingale diversos idiomas como alemão, francês, latim e também música, história e religião.

Mesmo vivendo em uma família rica, Florence não queria seguir os padrões sociais da época para a alta sociedade. A jovem visitava moradores de aldeias vizinhas que estavam doentes e em precárias condições, o que lhe despertou a insatisfação com o tratamento dessas pessoas. Aos 14 anos, ela concluiu que cuidar dos enfermos era sua vocação, o que relatou em suas obras como sendo um chamado de Deus.

Sua família não autorizou que Florence estudasse Enfermagem e que se dedicasse aos cuidados dos doentes pobres. A profissão não era bem-vista até então, e mulheres que a desempenhavam eram pobres ou faziam parte de igrejas, como algo inerente à vocação religiosa.

Ingresso na Enfermagem
Aos 31 anos, Florence entrou para um curso de treinamento no Instituto de Diaconisas de Kaiserwerth, na Alemanha, sob o comando do pastor Theodor Fliedner.

Tempos depois, em 1852, Florence foi a hospitais em Dublin e Edimburgo, locais em que entrou em contato com diferentes condições e métodos de tratamento. No entanto, foi em Paris, no recém-inaugurado Hospital Lariboisiére, que Nightingale vislumbrou alternativas para tratar as pessoas, proporcionando o contato dos pacientes com o ar fresco e a luz.

Florence adotou a Teoria Miasmática, método utilizado na época em hospitais considerados avançados como o de Paris, que tinha como tese que ambientes arejados e com claridade eram capazes de curar vários males e que as doenças poderiam ter origem espontânea com a reclusão em locais escuros e o contato com o lixo. Apesar de a ideia de espontaneidade de doenças ter sido descartada posteriormente, essa mudança nas acomodações e nos tratamentos permitiu a melhora da saúde na Europa, já que muitos lugares eram realmente insalubres.

Guerra da Crimeia (1853-1856)
Com o início da Guerra da Crimeia, milhares de soldados foram trabalhar em hospitais no tratamento aos feridos em conflito. O exército britânico não permitia a contratação de enfermeiras, o que dificultou os cuidados aos combatentes e gerou um estado de negligência.

Por conta das condições desumanas, o ministro Sidney Herbert foi muito pressionado pela opinião pública e teve de tomar medidas para tentar melhorar a imagem do exército britânico. Como conhecia Florence, ele pediu que ela formasse uma equipe e se juntasse às tropas para atender os militares.

Em 1854, Florence tornou-se a chefe de enfermagem em Scutari, na Turquia. Ela encontrou os soldados em péssimo estado e um quadro deficiente de utensílios para higiene pessoal e alimentação. Com seu conhecimento profissional adquirido até então, ela reforçou a limpeza do local, expôs os militares ao ar fresco, criou um plano de alimentação adequado a cada tipo de doente e enfatizou a importância do repouso.

O empenho de Florence e sua equipe foi satisfatório, já que se estima que a mortalidade tenha caído de 42,7% para 2,2%, o que rendeu a ela reconhecimento internacional.

Publicações:

Retrato de Florence Nightingale
Com base no que vivenciou na Guerra da Crimeia, Florence publicou as “Notas sobre questões que afetam a saúde, eficiência e Administração Hospitalar do Exército Britânico”, uma obra com mais de 800 páginas. A publicação teve frutos, como a criação da Comissão Real de Saúde do Exército.

Florence também utilizou a estatística em seus estudos para poder apresentar dados aos membros do exército. Ela usou o chamado diagrama de área polar, gráfico precursor ao de pizza, para exemplificar a contagem de mortes por mês, por exemplo. Com isso, ela foi a primeira mulher a integrar a Sociedade Real de Estatística.

Em sua vida, Florence publicou, aproximadamente, 200 obras, as quais incluíam livros, panfletos e relatórios com sua experiência, observações e crenças sobre a enfermagem. Sua atividade intelectual seguiu até os 80 anos, quando foi impossibilitada de escrever por causa da cegueira definitiva.

Criação da Escola de Enfermagem
Florence Nightingale contraiu febre tifoide na Guerra da Crimeia, e as sequelas dessa doença foram as responsáveis pelo fim de sua atuação na enfermagem de hospitais. Em 1859, utilizando seu tempo acamada, ela desenvolveu o projeto da Escola de Enfermagem do Hospital St. Thomas, em Londres.

O curso tinha duração de cerca de um ano, e as aulas eram ministradas por médicos. Os conteúdos tinham exposição teórica e atividades práticas para profissionalizar os futuros enfermeiros. Alguns fundamentos da escola criada por Florence focavam no atendimento aos pobres, ligação de escolas aos hospitais para treinamento e no ensino por equipe formada na área.

Contribuições para Enfermagem
Além do seu trabalho na Guerra da Crimeia e na criação da Escola de Enfermagem, Florence Nightingale foi uma referência na saúde pública.

A britânica foi consultada durante a Guerra Civil Americana sobre o formas de gerenciar hospitais de bases militares. Já em 1867, sua consultoria foi para o saneamento básico de militares e civis da Índia.


Estátua de Florence Nightingale em Londres
Morte e homenagens
Florence Nightingale morreu em 13 de agosto de 1910, em Londres, aos 90 anos. Ela passou seus últimos anos em repouso absoluto, em sua casa, por causa de complicações tardias da febre tifoide.

Em sua homenagem, a data de seu nascimento, 12 de maio, foi instituída como o Dia do Enfermeiro. No Brasil, comemora-se a Semana da Enfermagem no período de 12 a 20 de maio.

Por Lorraine Vilela
Jornalista

27 de Agosto D. HÉLDER CÂMARA e D.LUCIANO M. DE ALMEIDA

jul 30 2020

27 de Agosto

DOM HÉLDER CÂMARA (1999) e

DOM LUCIANO MENDES DE ALMEIDA (2006)

Bispos Brasileiros e Testemunhas Proféticas

 

            Dom Hélder Pessoa Câmara OFS foi um bispo católico, arcebispo emérito de Olinda e Recife. Foi um dos fundadores da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil e grande defensor dos direitos humanos durante o regime militar no Brasil. Pregava uma Igreja simples, voltada para os pobres, e a não-violência. Por sua atuação, recebeu diversos prêmios nacionais e internacionais. Foi o único brasileiro indicado quatro vezes ao Prêmio Nobel da Paz.

            Dom Luciano Pedro Mendes de Almeida SJ foi um religioso jesuíta e bispo católico. Foi o quarto arcebispo de Mariana. Ele era um homem de caridade quem promoveu obras sociais para ajudar viciados em drogas, idosos e menores abandonados. Dom Hélder e Dom Luciano eram servos dos humildes, dos pobres, dos simples e dos marginalizados.

 

 

Coleta: Glorioso Deus, que ateias a flama de teu amor nos corações dos seus servos, Hélder Câmara e Luciano Mendes de Almeida, concede a nós, que te servimos, a mesma fé e o mesmo poder de amor; a fim de que, assim como nos regozijamos em seus triunfos, aproveitemos com seus exemplos; por Jesus Cristo, nosso Senhor, que vive e reina contigo e com o Espírito Santo, um só Deus, agora e sempre. Amém.

 

25 de Agosto LOUIS IX

jul 30 2020

25 de Agosto

LOUIS IX (1270)

Protetor da Ordem Terceira

           

            Louis IX personificou os ideais mais altos de regente cristão medieval. Já desde o início de seu mandato, Louis era o monarca ideal: sinceramente religioso, mas não fanático; imparcial e misericordioso em administrar a justiça, insistindo nos direitos de cada pessoa; estadista agudo e confiável. Ele pôde reconciliar o poder real com a grande simplicidade e pobreza de espírito. Acima de tudo, a qualidade que ele mais valia e que de fato ele possuía, era a integridade. Ele é honrado como luz brilhante da Ordem Terceira e é um de nossos padroeiros (os outros são Francisco, Clara e Elizabeth da Hungria).

 

Coleta: Ó Deus, chamaste teu servo Louis da França a um trono terrestre a fim de avançar teu reino celestial, e lhe deste zelo por tua igreja e amor por teu povo:   concede misericordiosamente que nós, que hoje o comemoramos, sejamos frutíferos em boas obras, e alcancemos a gloriosa coroa de teus santos; por Jesus Cristo nosso Senhor, que vive e reina contigo e o Espírito Santo, um só Deus, agora e sempre. Amém

Eucaristia: Gálatas 6:14-18              Oração da Manhã:

                      Salmo 37:24-33                                  Salmos 71, 84

                       Mateus 16:24-27                                Eclesiástico 39: 5-11

                                                                                 Lucas 10: 1-16

1a Oração da Tarde:                          2a Oração da Tarde:

    Salmos 27, 42                                           Salmos 121, 124, 142

    Êxodo 24:12-28                                        Isaías 6: 1-8

    Mateus 5:1-12                                           João 11: 20-41