Category: Santos mês 2

25 de Fevereiro – FUNDAÇÃO DA COMUNIDADE DE SÃO FRANCISCO

abr 28 2020

(Companheira Devocional , 218)

25 de Fevereiro

FUNDAÇÃO DA COMUNIDADE DE SÃO FRANCISCO (1905)

            Rosina Rice foi a fundadora da Comunidade de São Francisco. Ela tinha sido membro das Irmãs de Betânia por dezoito anos quando se sentiu chamada a uma vida de maior pobreza. Com a permissão da sua Superiora, ela partiu para fundar a CSF em 1905 e logo se uniram a ela outras três mulheres. Em 1910, Madre Rosina foi recebida na Igreja Católica Romana e entrou na Sociedade da Expiação no Estado de Nova Iorque. A Comunidade de São Francisco continuou a crescer e a fazer o trabalho do Senhor sob a direção de sua nova Madre, Elizabeth.

Coleta: Deus de amor, celebramos teu amor, teu poder, e tua esperança dentro de cada um de nós. Damos-te graça pelas mulheres fiéis e corajosas ao longo das eras, especialmente as Madres Rosina e Elizabeth em cuja companhia nossos corações ficam contentes. Com elas, magnificamos teu nome, Criador, Redentor e Santificador. Amém.

8 de Fevereiro – JACOBA DE SETTESOLI

abr 28 2020

(Companheira Devocional , 216) 

JACOBA DE SETTESOLI (1273)

8 de Fevereiro, Ordem Terceira

            Dona Jacoba de Settesoli (também conhecida como Giacoma ) foi uma viúva nobre e rica em Roma, que se tornou grande amiga de Francisco. Ela apoiou o movimento franciscano com sua riqueza e influência, e levou uma vida austera dedicada a atos de caridade. Por causa de sua coragem, humor e franqueza, bem como sua lealdade para com Francisco, ele apelidou ela de “Irmão Jacoba.” Embora suas responsabilidades como mãe impediu ela de doar toda sua riqueza para se juntar às Clarissas, seu exemplo em seguir as virtudes franciscanas no mundo fez dela uma proto-terciária. Certamente, o seu exemplo inspirou a fundação da Terceira Ordem. Francisco convocou-a quando ele estava morrendo, e ela lhe trouxe a sobremesa de amêndoa que ele adorava. Quando Jacoba morreu anos mais tarde, ela foi enterrada na Basílica de São Francisco de Assis, perto dos túmulos de Francisco e os irmãos que eram os companheiros mais queridos dele.

Coleta: Senhor Deus, dá-nos a mesma coragem e paixão para o evangelho de Jesus Cristo que Francisco encontrou em sua amiga Jacoba. Mesmo entre os cuidados e deveres deste mundo, possamos nos dedicar a atos de bondade, fielmente servindo os pobres e os nossos irmãos e irmãs em Cristo; através de Jesus Cristo, nosso Senhor. Amém.

7 de Fevereiro – COLETTE

abr 28 2020

Presença feminina  (Companheira Devocional , 216) 

COLETTE (1447), Segunda Ordem, 7 de Fevereiro
     Depois da morte dos seus pais, Colette obteve permissão para viver a vida de eremita em um pequeno domicílio junto à parede da igreja, onde ela seguia a regra da Terceira Ordem. Pouco depois Deus a chamou para resgatar a observância rígida da regra de Santa Clara, a qual tinha sido muito relaxada até o século quinze. A humildade de Colette levou-a a resistir o chamado. Imediatamente ela ficou muda e depois cega até por fim gritar: “Senhor, o que queres que eu faça? Estou pronta para fazer qualquer coisa que tu desejes de mim”. Imediatamente sua fala e sua visão foram restabelecidas. Ela fundou dezessete conventos nos quais a Regra primitiva de Santa Clara floresceu.

Coleta: Deus nosso sustentador, que inspirou Colette a ser exemplo e líder de perfeição evangélica para muitos: Permite que o espírito de Francisco e Clara que ela sabiamente ensinou e admiravelmente confirmou pelo seu exemplo, sempre possa permanecer em nós; por Jesus Cristo nosso Senhor. Amém.

12 de fevereiro – DOROTHY STANG

fev 13 2016

Doroty StangDOROTHY STANG
Hoje, a Igreja Episcopal Anglicana do Brasil celebra a vida de Dorothyi Mae Stang. Irmã Dorothy estava presente na Amazônia desde a década de setenta junto aos trabalhadores rurais da Região do Xingu. Sua atividade pastoral e missionária buscava a geração de emprego e renda com projetos de reflorestamento em áreas degradadas, junto aos trabalhadores rurais da área da rodovia Transamazônica. Seu trabalho focava-se também na minimização dos conflitos fundiários na região. Atuou ativamente nos movimentos sociais no Pará. A sua participação em projetos de desenvolvimento sustentável ultrapassou as fronteiras da pequena Vila de Sucupira, no município de Anapu, no Estado do Pará, a 500 quilômetros de Belém do Pará, ganhando reconhecimento nacional e internacional. A religiosa participava da Comissão Pastoral da Terra (CPT) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) desde a sua fundação e acompanhou com determinação e solidariedade a vida e a luta dos trabalhadores do campo, sobretudo na região da Transamazônica, no Pará. Defensora de uma reforma agrária justa e consequente, Irmã Dorothy mantinha intensa agenda de diálogo com lideranças camponesas, políticas e religiosas, na busca de soluções duradouras para os conflitos relacionados à posse e à exploração da terra na Região Amazônica. Dentre suas inúmeras iniciativas em favor dos mais empobrecidos, Irmã Dorothy ajudou a fundar a primeira escola de formação de professores na rodovia Transamazônica, que corta ao meio a pequena Anapu. Era a Escola Brasil Grande. Irmã Dorothy recebeu diversas ameaças de morte, sem deixar intimidar-se. Pouco antes de ser assassinada declarou: «Não vou fugir e nem abandonar a luta desses agricultores que estão desprotegidos no meio da floresta. Eles têm o sagrado direito a uma vida melhor numa terra onde possam viver e produzir com dignidade sem devastar.». Ainda em 2004 recebeu premiação da Ordem dos Advogados do Brasil (secção Pará) pela sua luta em defesa dos direitos humanos. Em 2005, foi homenageada pelo documentário livro-DVD Amazônia Revelada. A Irmã Dorothy Stang foi assassinada, com seis tiros, um na cabeça e cinco ao redor do corpo, aos 73 anos de idade, no dia 12 de fevereiro de 2005, às sete horas e trinta minutos da manhã, em uma estrada de terra de difícil acesso, a 53 quilômetros da sede do município de Anapu, no Estado do Pará, Brasil. Segundo uma testemunha, antes de receber os disparos que lhe ceifaram a vida, ao ser indagada se estava armada, Ir. Dorothy afirmou «eis a minha arma!» e mostrou a Bíblia. Leu ainda alguns versículos das bem aventuranças para aquele que logo em seguida lhe balearia. No cenário dos conflitos agrários no Brasil, seu nome associa-se aos de tantos outros homens, mulheres e crianças que morreram e ainda morrem sem ter seus direitos respeitados. O corpo da missionária está enterrado em Anapu, Pará, Brasil, onde recebeu e recebe as homenagens de tantos que nela reconhecem as virtudes heróicas da matrona cristã. O fazendeiro Vitalmiro Moura, o Bida, acusado de ser o mandante do crime, havia sido condenado em um primeiro julgamento a 30 anos de prisão. Num segundo julgamento, contudo, foi absolvido. Após um terceiro julgamento, foi novamente condenado pelo júri popular a 30 anos de prisão.  (Texto do Revmo. D. João Peixoto, Diocesano da IEAB – Diocese Anglicana do Recife, via Facebook)                                                                                                                                                                                                                                                                    

1 de fevereiro Santa Brigida

jan 31 2015
Santa Agnes de Roma

Santa Agnes de Roma

Brígida de Kildare ou Brígida da Irlanda (Brigit, Bridget, Bridgit, Bríd), conhecida na Irlanda como Naomh Bhríde, foi uma religiosa católica irlandesa, freira, abadessa, e fundadora de diversos conventos, que é venerado como santa. É considerada uma das santas padroeiras da Irlanda, juntamente com São Patrício e São Columba. Seu dia e festa é em 1 de fevereiro, o primeiro dia da primavera, que é tradicional na Irlanda.
Ela morreu em Kildare em torno de 525 e foi enterrada em um túmulo na igreja de sua abadia. Depois de algum tempo ela foi transporta para Downpatrick com os restos dos outros dois santos padroeiros da Irlanda, Patricio e Columba. Seu crânio foi extraído e levado à Igreja de São João Batista de Lisboa, Portugal, por três irlandeses nobres, onde permanece ate hoje. Há uma ampla devoção a ela na Irlanda, onde ela é conhecida como a “Maria do Gael” e seu culto foi trazido para a Europa pelos missionários irlandeses, nos séculos depois da sua morte. Na Bélgica, existe uma capela dedicada a Santa Brígida em Fosses-la-Ville.

A lenda conta que ela fez a cruz e colocou-a no chão ao lado de um homem à morrer, a fim de convertê-lo. É interessante notar que essa lenda não aparece em nenhuma das fontes mais antigas e até hoje sua origem continua perdida na tradição oral.A cruz continua sendo costume em muitas casas, na Irlanda em honra a santa.

A cruz assume muitas formas e é tecnicamente classificada pelos especialistas como um ofício do povo embora as tecnologias utilizadas. Segundo a tradição uma nova cruz é feita cada dia de Santa Brígida(1 de Fevereiro), bem como as antigas são queimada.Alguns acreditam que manter uma cruz no teto é uma boa maneira de preservar a casa de incêndios, que foi sempre uma grande ameaça a casas com construção com madeira.

Fonte: Wikipedia