Category: Santos mês 03

20 de março – Cuthbert de Lindisfarne

mar 17 2021

20 de março – Cuthbert de Lindisfarne

Cuteberto (em inglês: Cuthbert) (c. 634 – 20 de março de 687) ou São Cuteberto foi um monge, bispo e eremita associado aos monastérios de Melrose e Lindisfarne no Reino da Nortúmbria no Nordeste da Inglaterra.[1] Depois de sua morte, ele se tornou um dos mais importantes santos medievais do norte da Inglaterra, sendo considerado o santo patrono da região e sua festa litúrgica é celebrada em 20 de março.

Cresceu próximo a Abadia de Melrose, uma casa-filha de Lindisfarne, hoje na Escócia. Ele decidiu se tornar monge após uma visão numa noite em 651 da morte de Santo Edano, o fundador de Lindisfarne, mas primeiro precisou passar alguns anos em serviços militares. Ele alcançou rápido o posto de guest-master no monastério de Ripon, pouco depois de 655, mas teve que voltar com Eata a Melrose quando Vilfrido recebeu o comando do monastério.[2] Por volta de 662 foi nomeado prior de Melrose e em 665 prior de Lindisfarne. Em 684 foi nomeado bispo de Lindisfarne mas no final de 686 renunciou e voltou a vida de isolamento como eremita quando ele sentiu que estava prestes a morrer, embora ele provavelmente estivesse por volta dos 50 anos.[3]


Vida
Origens
Cuteberto nasceu em 634 no que hoje é conhecido como as Fronteiras Escocesas, alguns anos depois da conversão ao cristianismo do Rei Eduíno em 627, cuja religião aos poucos também foi adotado pelo resto de seu povo. Eduíno foi batizado por Paulino de Iorque, um italiano que veio junto com a missão gregoriana de Roma, porém o seu sucessor Osvaldo da Nortúmbria convidou monges irlandeses de Iona para fundar o monastério de Lindisfarne, onde Cuteberto passou grande parte da vida.[4]

As tensões entre as tradições celtas e as romanas, frequentemente exacerbadas pelo Santo Vilfrido, um defensor intransigente dos ritos romanos foram uma das principais características da vida de Cuteberto. O próprio Cuteberto, embora educado seguindo as tradições celtas, seguiu seu mentor Eata aceitando o modo romano após o Concílio de Whitby em 664.[5] As biografias recentes se concentram nos diversos milagres que seguiram seus primeiros anos de vida, mas ele era evidentemente um pregador incansável, que viajava por todo o reino divulgando o Cristinanismo e também era capaz de causar uma boa impressão entre a realeza e a nobreza. Ao contrário de Vilfrido, tinha um estilo de vida austero e mesmo após decidir viver como eremita continuou recebendo vários visitantes.[6]

Durante uma noite na sua infância Cuteberto teve uma visão de Edano sendo conduzido ao céu por anjos, pouco depois chegou a notícia de que Edano falecera naquela noite. O historiador Edwin Burton sugere que os pais de Cuteberto eram pessoas humildes, uma vez que quando menino ele costumava cuidar das ovelhas perto do monastério de Melrose.[7] Sua história menciona que ele chegou a prestar serviços militares, mas em algum momento decidiu entrar para o Monastério de Melrose, sob o priorado de Boisil. Após a morte de Boisil em 661, Cuteberto o sucedeu como prior do monastério.[7] São Cuteberto era possivelmente primo de segundo grau do Rei Aldfrite da Northumbria (de acordo com a genealogia irlandesa), o que pode explicar a razão de propor que Aldfrite fosse coroado rei.[8][9]

Carreira

Pintura de São Cuteberto feita no século XII na Catedral de Durham
A fama de piedoso, diligente e obediente de Cuteberto cresceu rapidamente. Quando Alcfrido, rei de Deira, fundou um novo monastério em Ripon, Cuteberto tornou-se seu praepositus hospitum ou guest master de Eata. Quando o monastério foi dado a Vilfrido, Eata and Cuteberto voltaram para Melrose. Uma enfermidade se abateu sob o monastério em 664 e quando o prior morreu, Cuteberto assumiu a posição.[10][11]

Depois do Concílio de Whitby, Cuteberto começou a adotar os costumes romanos e seu antigo prior Eata, convidou a introduzí-los em Lindisfarne como prior do local. Seu asceticismo era complementado pela sua generosidade com os pobres e a reputação do seu dom de cura e da visão atrairam muitas pessoas para se consultar com ele, ganhando a alcunha de “Wonder Worker of Britain”. Ele continuou seu trabalho missionário viajando pelo país desde Berwickshire até Galloway realizando seu trabalho pastoral, chegando a fundar uma pequena capela em Dull na Escócia, com uma grande cruz de pedra e uma pequena cela para seu uso, o local foi transformado em um monastério e mais tarde na Universidade de St Andrews. Também lhe é atribuída a fundação da Igreja Paroquial de São Cuthbert em Edimburgo.[12]

Vida como eremita

Cuteberto encontra Elfleda de Whitby na Ilha Coquet, século XII
Cuteberto aposentou-se em 676, movido pelo desejo de ter uma vida de contemplação. Com a permissão de seu abade ele se mudou para um lugar que o Arcebispo Eyre chamou de Ilha de São Cuteberto próximo a Lindisfarne, porém Raine acha que ficava perto de Holburn, num lugar conhecido como Caverna de São Cuteberto. Pouco tempo depois se mudou para a Ilha Farne Interior na costa da Nortúmbria onde se forçou a ter uma vida de austeridade.[7] No início ele recebia visitantes, porém mais tarde se confinou em uma cela onde apenas abria uma janela para dar sua bênção. Recebeu a visita da abadessa Elfleda, filha de Osvio da Nortúmbria, que sucedeu Santa Hilda como abadessa de Whitby em 680. O encontro aconteceu na ilha de Coquet.[13]

Eleição ao bispado de Lindisfarne
Em 684, Cuteberto foi eleito Bispo de Hexham, no Concílio de Twyford[14] mas ele estava relutante em deixar seu retiro para assumir o cargo, somente após uma visita de uma comitiva, que incluía o Rei Egfrido que ele concordou em assumir as responsabilidades do bispado, porém com a condição de que ele fosse indicado para Bispo de Lindisfarne, trocando com Eata, que iria para Hexham. Ele foi consagrado em Iorque pelo Arcebispo Teodoro e seis bispos em 26 de março de 685. Entretanto, após o Natal ele voltou a sua cela na Ilha Farne (duas milhas de Bamburgo, Northumberland), onde faleceu em 20 de março de 687.[15]

Legado
Diversos milagres foram atribuídos a Cuteberto após sua morte, inclusive Alfredo, o Grande Rei de Wessex foi inspirado e encorajado em sua luta contra os dinamarqueses através de um sonho que teve com Cuteberto. Desde então a Casa de Wessex, que vieram a se tornar os reis da Inglaterra, construíram um local para o culto a Cuteberto, que também serviu como uma mensagem política, tendo em vista que eles eram de lados geograficamente opostos no reino. Cuteberto foi “uma figura de conciliação e um ponto de convergência para a reforma da identidade da Nortúmbria e da Inglaterra após a absorção da população dinamarquesa na sociedade anglo-saxã.[16] Ele foi descrito como “talvez sendo o mais famoso santo do priorado da Inglaterra até a morte de Thomas Becket em 1170.”[17] Em 698 Cuteberto foi exumado e sepultado novamente em Lindisfarne em um caixão de carvalho decorado conhecido como Caixão de São Cuteberto.[18] O santuário de Cuteberto na Catedral de Durham foi um importante local de peregrinação durante a Idade Média, até que foi desapropriada por comissários de Henrique VIII na Dissolução dos Mosteiros.

Durante o período medieval, São Cuteberto tornou-se politicamente importante na definição da identidade das pessoas que moravam na região semi-autônoma conhecida como Liberty de Durham, que se tornou depois o Condado Palatino de Durham. Dentro desta área o Bispo de Durham]] tinha tanto poder quanto o rei da Inglaterra e o santo se tornou um símbolo poderoso da autonomia da região. Os habitantes ficaram conhecidos como haliwerfolc, que pode ser traduzido como “povo do santo” e Cuteberto ganhou a reputação de protetor feroz de seus domínios.[19] Por exemplo, existe uma estória de que a Batalha da cruz de Neville em 1346 o prior da Abadia de Durham teve uma visão de Cuteberto ordenando que ele pegasse o manto corporax do santo e o erguesse no campo de batalha como uma bandeira. Com isso, o prior e seus monges estariam protegidos “pela meditação de São Cuteberto e pela presença da relíquia.”[20]

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre

18 de março – Cirilo

mar 16 2021

18 de março – Cirilo

Embora o testemunho e palavras claras e penetrantes de Cirilo de Jerusalém remontem aos primeiros séculos do cristianismo, ainda hoje são muito oportunas.
Proclamado Doutor da Igreja, em 1882, por Leão XIII, seus escritos inspiraram duas importantes Constituições dogmáticas do Concílio Vaticano II: a Lumen Gentium, sobre a Igreja, e a Dei Verbum, sobre a Revelação Divina. A exigência de formar o povo à verdade sempre orientou a ação e a obra pastoral deste Santo.

Catequese sobre a Iniciação Cristã

Cirilo nasceu, provavelmente, em Jerusalém no ano 315, no início do período de Constantino, quando o cristianismo saiu da clandestinidade e se tornou religião oficial. Desde criança, recebeu a prática da fé dos pais; na sua juventude, praticou a ascese e viveu a pobreza e o celibato. Aos trinta anos, foi ordenado sacerdote e, imediatamente, se dedicou à preparação dos catecúmenos ao Sacramento do Batismo. Naqueles anos, nasceram suas famosas 24 Catequeses, nas quais demonstra uma excelente formação literária centralizada no estudo da Bíblia.
Seu rigor doutrinal unido à sua capacidade inata de transmitir conceitos metafísicos, mediante uma linguagem simples e evocativa, não passam despercebidos, tanto que, por volta do ano 348, foi consagrado Bispo de Jerusalém, sucessor a Máximo.

Luta contra as heresias

Como Bispo, Cirilo destacou-se logo por sua atitude pacífica e capacidade de mediação, virtudes que, no entanto, não atenuaram a firme ação contra a divisão da comunidade, a heresia e os maus costumes.
Defendeu a pureza da fé e incentivou a renovação espiritual. A Igreja, na época, atravessava um período difícil por causa das correntes heréticas e dos fortes contrastes teológicos com os arianos perversos.
Embora Cirilo seja recordado, por alguns, como simpatizante das teses arianas, sobretudo na sua juventude, nas disputas cristológicas adotou, com decisão, o símbolo niceno, proclamado pelo primeiro Concílio Ecumênico de Nicéia.

Contraste com os arianos e os três exilados

Esta sua tomada de posição causou inimizade com os arianos, que, ao negar a Jesus a igual divindade do Pai, não puderam aceitar a firme defesa da consubstancialidade por parte de Cirilo. Por isso, foi destituído do seu cargo, em 357, pelo próprio Bispo que o havia consagrado nove anos antes, Acácio de Cesareia da Palestina: este último, ao acusar Cirilo de erros doutrinais, pretendia que a sede de Jerusalém fosse submetida à de Cesareia. Depois de um Concílio episcopal, em 359, Cirilo foi reabilitado, mas expulso, pela segunda vez, por causa das pressões de Acácio sobre o imperador filo-ariano, Constâncio.
Com a morte do soberano, o prelado de Jerusalém retomou seu cargo, mas por pouco tempo, pois até o imperador Valente lhe era hostil e o condenou ao exílio de 367 a 378.

“Portadores de Cristo”

Ao término deste longo período, graças ao benefício de Teodósio, o Bispo Cirilo pôde, finalmente, voltar a tomar posse da cátedra de Jerusalém e, em 381, participou do II Concílio Ecumênico de Constantinopla, onde firmou o símbolo Niceno-Constantinopolitano.
Segundo Cirilo, o cristão é “portador de Cristo” e o catequista deve fazer ecoar, com a sua voz, a Palavra de Deus. Eis a missão que o Bispo de Jerusalém desempenha e ainda continua a desempenhar, hoje, revelando à comunidade eclesial a beleza dos Sacramentos e dos fundamentos da fé católica.

https://www.vaticannews.va/pt/santo-do-dia/03/18/s–cirilo–bispo-de-jerusalem-e-doutor-da-igreja-.html

14 de março – O Dia Nacional dos Animais

mar 12 2021

O Dia Nacional dos Animais

Comemorado anualmente em 14 de março no Brasil.

Esta data tem o objetivo de conscientizar as pessoas sobre os cuidados que devem ser dados aos animais, sejam domésticos ou selvagens.

Pensar no posicionamento dos seres humanos perante o meio ambiente e a preservação dos diferentes biomas também são questões essenciais debatidas neste dia.

De acordo com a legislação brasileira, maltratar animais é crime. Como maltrato entende-se: bater; deixar sem alimentos, água e abrigo; deixar preso, não tratar das doenças e abandonar os animais domésticos.

Os animais também são lembrados no dia 4 de outubro, Dia Mundial dos Animais, em homenagem ao nascimento de São Francisco de Assis, considerado pela igreja católica como padroeiro dos animais.

No Brasil ainda se comemoram outras datas que também visam a conscientização da população sobre os direitos dos animais, como: o Dia da Adoção Animal (17 de agosto)e o Dia da Libertação Animal (18 de outubro).

Atividades para o Dia Nacional dos Animais
Nesta data é aconselhável, além de dedicar um dia especial ao seu animalzinho de estimação (caso tenha um), fazer atividades que ajudam a promover o significado do Dia Nacional dos Animais: garantir a defesa dos seres irracionais.

Faça grupos de discussão na sua comunidade sobre o assunto;
Reúna alunos ou filhos para fazer desenhos dos animais que eles mais gostam;
Assista a filmes e documentários que abordem temas relacionados a exploração e maus tratos aos animais, para que possa ter mais conhecimentos sobre esta terrível realidade;
Reúna os animais de estimação de todos os seus amigos da rua / prédio e organize uma festa;
Crie e distribua folhetos explicativos sobre a importância de denunciar às autoridades casos de maus tratos aos animais.

Outras datas importantes  referentes ao assunto:

Out 04 SEG Dia dos Animais
Set 09 QUI Dia do Médico Veterinário
Out 04 SEG Dia do Cachorro
Out 04 SEG Dia da Natureza
Mai 23 DOM Dia da Tartaruga
Fev 17 QUA Dia Mundial do Gato

Fonte: https://www.calendarr.com/brasil/dia-nacional-dos-animais/

13 de março – Santa Dulce dos Pobres

mar 12 2021
Conheça a história da Santa Dulce dos Pobres - O “Anjo bom da Bahia”, a Irmã Dulce 
Foto: Reprodução/Ebiografia / João Bidu
Conhecida como o “Anjo bom da Bahia”, a Irmã Dulce tornou-se um exemplo de dedicação à palavra de Deus por meio do seu trabalho de apoio aos indivíduos mais vulneráveis do país.
Para celebrar o Dia de Santa Dulce dos Pobres com mais paixão, não deixe de fazer a poderosa oração à Irmã Dulce. Peça pela ajuda e proteção da santa e faça deste dia um momento de conexão com o divino!

Dia de Santa Dulce dos Pobres: história da santa 

Com 13 anos, antes de virar freira, Maria Rita de Souza Brito Lopes, a Irmã Dulce, já acolhia pessoas carentes em sua própria casa. Sua residência se transformou em um centro de atendimento para moradores em situação de rua e pessoas doentes, conhecido como ”A Portaria de São Francisco”.

No ano de 1933 virou professora e entrou para a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, em Sergipe. Com o tempo, ela ficou encarregada de dar aulas em um colégio em Salvador. No entanto, segundo a ONG Obras Sociais Irmã Dulce (OSID), o maior interesse dela era em ajudar pessoas necessitadas.

Por causa desse grande desejo em amparar os mais vulneráveis da sociedade, em 1935, a freira passou a dar assistência à uma comunidade em Alagoas e atender operários na Bahia. Dois anos depois, Irmã Dulce fundou o Círculo Operário da Bahia e, mais tarde, inaugurou uma escola pública para os operários e para os filhos deles.

No Convento que morava, ela abrigou cerca de 70 doentes no galinheiro. Posteriormente, o local foi transformado em um hospital. Ela trabalhou bastante para promover um centro educacional, um albergue e um pavilhão para deficientes dentro do hospital, entre outros diversos projetos beneficentes.

Ficou tão conhecida por ajudar o próximo, que foi apresentada ao Papa João Paulo II, quando o mesmo visitou o Brasil em 1980.

Faleceu em março de 1992 devido a problemas respiratórios, mas, antes de partir, recebeu novamente uma visita do papa. Hoje, a ONG OSID, criada por ela, se tornou uma grande unidade de saúde, com atendimentos totalmente gratuitos e recebe milhões de pacientes por ano.

Curiosidades sobre a Irmã Dulce

Foi proclamada como a primeira santa nascida no Brasil 

Por sua total dedicação aos pobres, a freira foi proclamada como a primeira santa nascida no Brasil. A cerimônia de canonização foi realizada no Vaticano no dia 13 de outubro de 2019 pelo papa Francisco. Agora, ela é reconhecida como a Santa Dulce dos Pobres.

Problemas de saúde 

A Irmã Dulce tinha uma saúde bastante debilitada devido ao enfisema pulmonar, problema respiratório que resultou em sua morte. Sofreu muito, mas, ainda assim, sempre deu seu melhor para ajudar os necessitados.

Relação com o número 13 

O número 13 sempre esteve presente em sua vida. Ela foi batizada no dia 13 de dezembro de 1914. Começou ajudar as pessoas aos 13 anos. Em 13 de agosto de 1933 recebeu o hábito religioso. Morreu em 13 de março de 1992. Tinha uma enorme devoção por Santo Antônio, que recebe homenagens no dia 13 de junho. E, por fim, foi canonizada no dia 13 de outubro de 2019. Além disso, a sua festa litúrgica é comemorada no dia 13 de agosto.

Foi afastada da congregação das Irmãs

Ficou afastada da congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus durante 10 anos pois se recusava a seguir as regras rígidas impostas pelas freiras. Só foi aceita novamente quando ficou doente. Ela não deixou de ser freira, apenas não precisava mais seguir horários certos e isolamentos.

Invasão de lugares 

No ano de 1939, a Irmã invadiu cerca de cinco casas vazias, onde passou abrigar doentes. Mas foi expulsa e os levou todos para os arredores da Igreja do Bonfim, em Salvador. Claro que, aos olhos de algumas pessoas, essa atitude foi alvo de repressão. Por isso, o prefeito ordenou a expulsão de todos os abrigados no local.

Indicada ao Nobel da Paz 

Foi indicada para o Nobel da Paz pelo presidente da República José Sarney, com o apoio da Rainha Sílvia da Suécia. Apesar de não ter sido premiada, passou a ser conhecida mundialmente pelos seus feitos.

Oração à Irmã Dulce

“Para que os pobres tenham sua proteção e mais esperança. Querida Santinha, me faz protegido e protetor contra toda violência e rancor. A senhora que vê a dor e sofrimentos dos pobres e desamparados. A senhora que em vida foi a salvação de muitos desesperados. Que Deus ajude e ilumine sua missão, Irmã Dulce. Amém”. Em seguida, reze três Ave-Marias.

13 de março – James Theodore Holly

mar 12 2021

James Theodore Holly
Nasceu em 3 de outubro de 1829 Washington, DC, EUA e morreu em 13 de março de 1911 (com 81 anos)
Port-au-Prince , Haiti
Enterrado na casa de St. Vincent, Port-au-Prince
Venerado pela Igreja Episcopal (Estados Unidos)
Celebração: 13 de março
James Theodore Augustus Holly (3 de outubro de 1829 em Washington, DC – 13 de março de 1911 em Port-au-Prince , Haiti ) foi o primeiro bispo afro-americano na Igreja Episcopal Protestante e passou a maior parte de sua carreira episcopal como bispo missionário do Haiti

Seus pais eram escravos libertos de ascendência africana e sua mãe era católica romana . Holly nasceu e foi criada em Washington, DC e frequentou escolas públicas e privadas. Quando ele tinha 14 anos, ele se mudou com seus pais para o Brooklyn, em Nova York , e seu pai o ensinou a ser sapateiro. Enquanto na capital nacional e na cidade de Nova York, Holly conheceu vários abolicionistas proeminentes, incluindo Frederick Douglass , e em 1848 estava trabalhando com Lewis Tappan . Em 1850, ele e seu irmão Joseph abriram sua própria loja de botas.

Em 1851, Holly se casou com Charlotte e também se retirou da Igreja Católica Romana por se recusar a ordenar padres negros localmente. Eles se juntaram à Igreja Episcopal Protestante . A jovem família logo se mudou para Windsor, Ontário , em frente a Detroit , onde Holly ajudou Henry Bibb como editora associada do Voice of the Fugitive , um jornal semanal. Holly ajudou a organizar a Convenção de Negros Livres em Amherstburg no Canadá. Em 1854, Holly voltou aos Estados Unidos para se tornar diretora de uma escola pública em Buffalo, Nova York .

Ele também participou da primeira Convenção Nacional de Emigração em Cleveland naquele ano como um episcopal e se tornou um comissário do Conselho Nacional de Emigração. Depois disso, Holly viajou para o Haiti pela primeira vez, para explorar possíveis opções de emigração para negros livres. Holly sabia que a American Colonization Societyajudou 6.000 afro-americanos a emigrar para o Haiti no início de 1824, mas muitos retornaram devido às condições adversas da ilha. Holly acreditava que os negros livres poderiam evitar a discriminação galopante emigrando para o Haiti, que expulsou seus governantes coloniais, e também que essa emigração ajudaria a estabilizar a sociedade na ilha de Hispaniola, que havia sofrido muitos golpes. Embora ele muitas vezes tenha solicitado uma comissão da Junta de Missões da Igreja Episcopal para servir no Haiti, cada uma foi negada.

Carreira religiosa
Holly estudou teologia e recebeu ordens sagradas. Ordenado diácono em 17 de junho de 1855 na Igreja de St. Mathew em Detroit , ele foi ordenado sacerdote em 2 de janeiro de 1856 em New Haven, Connecticut . Enquanto isso, Holly cofundou a Sociedade Episcopal Protestante para a Promoção da Extensão da Igreja entre Pessoas de Cor, que trabalhou para que a Convenção Geral adotasse uma posição contra a escravidão e eventualmente se tornasse a União dos Episcopais Negros .

O Rev. Holly serviu como reitor da Igreja de São Lucas, New Haven, Connecticut , de 1856 a 1861, período em que fez várias viagens ao Haiti, a primeira república negra do mundo. Em 1857, ele publicou uma série de palestras como Vindicação da Capacidade da Raça Negra para Autogovernança e Progresso Civilizado e em 1859 ele pressionou o Congressista Frank Blair por fundos para estabelecer a colônia de emigrantes. No entanto, isso foi negado, e o Conselho de Missões também negou seus pedidos de arrecadação de fundos.

O Rev. Holly renunciou ao seu cargo em New Haven em 1861, a fim de liderar 110 afro-americanos e canadenses ao Haiti. Duas semanas após sua chegada, em 13 de junho de 1861, o presidente Geffrard assinou um documento declarando Holly cidadã haitiana. No entanto, a febre amarela , a febre tifóide , malária e más condições de vida atormentado os emigrantes. Holly perdeu sua mãe, esposa e dois de seus filhos, entre os 43 futuros colonos que morreram durante o primeiro ano. Muitos dos emigrantes voltaram para os Estados Unidos, apesar da Guerra Civil Americana .

Mesmo assim, o bispo Holly permaneceu no Haiti com seus dois filhos e outros emigrantes americanos dedicados. Em 1863, eles estabeleceram a Igreja da Santíssima Trindade e escolas, e logo outras igrejas, bem como programas de treinamento pastoral e medicina rural. O Conselho de Missões começou a apoiar financeiramente a missão em 1865. O Rev. Holly também serviu como cônsul para a Libéria em Porto Príncipe de 1864 a 1874.

Naquele ano, o Rev. Holly recebeu um DD da Howard University , Washington, DC, e foi consagrado como bispo missionário do Haiti pela American Church Missionary Society, uma facção Episcopal Evangélica, em uma cerimônia na Grace Episcopal Church em Nova York. O Bispo Presidente Benjamin Bosworth Smith presidiu a cerimônia, com a participação de seu futuro sucessor Albert Lee e o bispo de Nova York Horatio Potter . Rt.Rev. Holly se tornou a primeira afro-americana da denominação a ser consagrada, e apenas a segunda pessoa negra a se tornar bispo em uma denominação cristã protestante importante.

Em 1878, o bispo Holly viajou para a Inglaterra como delegado da Conferência de Lambeth , mas passou a maior parte do resto de sua vida dentro de sua diocese, na ilha de Hispaniola. Ele recebeu o grau honorário de direito ( LL.D. ) do Liberia College , Monrovia , Libéria em 1882. O bispo Holly também contribuiu com resenhas para a Igreja , a Igreja Eclética e a Igreja Metodista Africana . Em 1897, Holly publicou FATOS SOBRE A MISSÃO DA IGREJA NO HAITI , e também foi nomeado bispo da Igreja Episcopal na República Dominicana (dois anos antes do assassinato do General Ulises Heureaux , que trouxera relativa paz àquela parte da ilha).

Morte e legado
Jack Holly morreu em sua diocese, em Port-au-Prince, Haiti, em 13 de março de 1911, vários meses antes dos assassinatos de Anténor Firmin no Haiti e do homem forte Ramón Cáceres na República Dominicana. Esses eventos mergulharam a ilha de Hispaniola em outra rodada de guerra civil e, por fim, levaram à ocupação da República Dominicana pelos Estados Unidos (1916-1924) . O bispo está enterrado no terreno da Escola de São Vicente para Crianças Deficientes, em Porto Príncipe. Em 1936, o governo haitiano reconheceu o bispo Holly por suas cinco décadas de trabalho para o Haiti 25 anos após sua morte, e concedeu-lhe sua mais alta honraria, Comandante da Ordem Nacional de Honra e Mérito. As consequências do terremoto haitiano de 2010 adiaram os planos para comemorar o 100º aniversário de sua morte.

O calendário litúrgico da Igreja Episcopal nos Estados Unidos da América lembra Holly com uma festa anual em 13 de março, aniversário de sua morte, embora algumas igrejas traduzam a celebração de sua vida e realizações para 8 de novembro, aniversário de sua ordenação bem como menos afetados pelas observâncias da Quaresma.

Fonte: Da Wikipédia, a enciclopédia livre
Este artigo incorpora texto de uma publicação agora em domínio público : Wilson, JG ; Fiske, J. , eds. (1892). “Holly, James Theodore Augustus” . Cyclopædia of American Biography, de Appletons . Nova York: D. Appleton.